O Investidor Nordestino vem descobrindo o Tesouro Direto

Até o ano de 2002, o investidor pessoa física acessava os títulos do Governo Federal através de intermediários, representados por instituições financeiras, que compravam estes títulos do Governo e os distribuíam às pessoas físicas através de cotas de fundos. Claro, havia um bom custo de intermediação, que se tornava receita para as instituições financeiras.

No ano de 2002, em parceria com a BM&F Bovespa (Atual B3), o Tesouro Nacional criou o programa chamado de Tesouro Direto, que consiste em dar acesso aos investidores pessoa física, através da internet, à compra e venda de títulos da dívida pública federal.

Este programa criou um relacionamento quase que direto do investidor com o Tesouro Nacional, inclusive porque há a necessidade de se ter uma conta em uma corretora de valores. Apesar desta exigência, o programa apresenta-se de forma extremamente vantajosa quando comparado com a forma indireta de compra, vigente até 2002.

 

O Cenário Atual

Nos últimos 12 meses, de maio 2016 a maio 2017, a quantidade de investidores ativos cadastrados na base do Tesouro Direto que são moradores da região nordeste do país cresceu 94%. Ou seja, em maio de 2016, havia 23.380 investidores, já em maio deste ano tínhamos 45.342. A concentração no eixo Sul-Sudeste ainda é brutal, estas duas regiões juntas representam 81% da base de investidores cadastrados, sendo 66,6% para o sudeste e 14,4% representados pelos moradores da região sul do país.

Apesar das enormes vantagens trazidas ao investidor pelo programa, ainda há pouca representatividade quando comparamos ao total da população. O programa contava com 493.000 investidores ativos em maio de 2017. Para um contingente populacional de 210 milhões de brasileiros, há apenas 0,23% da população brasileira ativa no Tesouro Direto. Já o mesmo indicador para a população do Nordeste é de minúsculos 0,08%.

Ao contrário do que pode pensar a maior parte população, o Tesouro Direto não é exclusivo aos que tem grandes fortunas. A partir de pouco mais de R$ 30,00 reais já é possível aplicar. O segredo fica na escolha da corretora de valores, já que algumas cobram, outras não. O custo do investimento, em uma corretora que não cobra, é de 0,3% ao ano sobre o total do valor investido, pagos à B3, já em uma corretora que cobra, seriam os 0,3% ao ano à B3, adicionado ao percentual cobrado pela corretora.

Seus ganhos financeiros traduzidos em Iphones

IPHON7_GANHOS FINANCEIROS

Como planejador financeiro percebo que muitas pessoas se afastam do cuidado com as suas finanças pessoais por terem uma impressão de que o tema é complexo. Diante disto, resolvi tentar simplificar e montar este artigo, que demonstrará a conversão dos ganhos dos juros fazendo uma comparação com se fossem Iphones:

Para uma pessoa com uma reserva financeira de R$ 50.000,00 em 2015, e que deixou o recurso alocado nas seguintes aplicações:

POUPANÇA:
a) A poupança rendeu, em 2015, 7,95%;
b) A poupança é isenta de Imposta de Renda;
c) A Inflação pelo IPCA (teoricamente o que mais afeta o cidadão) foi, em 2015, 10,67%;
Logo, o investidor que ficou em poupança, em 2015, PERDEU 2,46% em termos reais, ou seja, R$ 1.230,00. Convertendo para Iphones, este cidadão saiu “devendo” 35% do valor do Iphone 7.

CDB:
a) O CDI médio, em 2015, foi de 13,18%;
b) O CDB é calculado em função do CDI. Se o banco pagasse 95% do CDI para o investidor com R$ 50.000,00, seria uma ótima remuneração. Para esta demonstração,e mais condizente com a realidade, consideraremos 80% do CDI, o que equivale a 10,54%.
c) Para o período investido, de 365 dias, este investidor pagaria um Imposto de renda de 17,5%, portanto a taxa líquida cairia de 10,54% para 8,96%.
d) A Inflação pelo IPCA (teoricamente o que mais afeta o cidadão) foi, em 2015, 10,67%;
Logo, o investidor que ficou em CDB, a 80% do CDI, em 2015, PERDEU 1,54% em termos reais, ou seja, R$ 771,48. Convertendo para Iphones, este cidadão saiu “devendo” 22% do valor do Iphone 7.

LCI:
a) O CDI médio, em 2015, foi de 13,18%;
b) A LCI é calculada em função do CDI. Se o banco pagasse92% do CDI para o investidor com R$ 50.000,00, seria uma ótima remuneração. Para esta demonstração, consideraremos 84%do CDI, o que equivale a ou 11,07%.
c) A LCI é isenta de Imposto de Renda para pessoas físicas.
d) A Inflação pelo IPCA (teoricamente o que mais afeta o cidadão) foi, em 2015, 10,67%;
Logo, o investidor que ficou em LCI, a 84% do CDI, em 2015, GANHOU0,36% em termos reais, ou seja,R$ 180,72. Convertendo para Iphones, este cidadão teria ganho o equivalente a 5% do valor do Iphone 7.

CRI:
a) O CRI é calculado normalmente pelo IPCA, adicionado a uma taxa de juros pré determinada no ato da compra. Um CRI comprado em 2015 pode ter sido adquirido à remuneração de IPCA + 7%.
b) O CRI é isento de Imposto de Renda para pessoas físicas.
c) A Inflação pelo IPCA (teoricamente o que mais afeta o cidadão) foi, em 2015, 10,67%;
Logo, o investidor que ficou em CRI, a IPCA + 7%, em 2015, GANHOU7% em termos reais, ou seja, R$ 3.500,00. Convertendo para Iphones, este cidadão saiu “ganhando” 100% do valor do Iphone 7, ou seja, teria comprado o produto sem desembolsar nada.

Tesouro IPCA +:
a) O Tesouro IPCA + é calculado normalmente pelo IPCA, adicionado a uma taxa de juros pré determinada no ato da compra. O Tesouro IPCA + comprado em 2015 pode ter sido adquirido a IPCA + 6,6%.
b) O Tesouro IPCA +segue a tabela regressiva, e para um investimento de 365 dias é descontado de Imposto de Renda em 17,5%.
c) A Inflação pelo IPCA (teoricamente o que mais afeta o cidadão) foi, em 2015, 10,67%;
Logo, o investidor que ficou em Tesouro IPCA +, a IPCA + 6,6%, em 2015, GANHOU3,84%(*) em termos reais. Portanto, convertendo para Iphones, este cidadão saiu “ganhando”R$ 1.920,00, ou55% do valor do Iphone 7.
(*) O IR incide sobre o resultado da rentabilidade deste título, que é de 1,1067 x 1,066, ou seja, 17,9%.

É IMPORTANTE LEMBRAR QUE CADA UM DOS INVESTIMENTOS ACIMA POSSUI RISCOS, LIQUIDEZ E CARACTERÍSTICAS DIFERENTES.

Rendimento da Poupança fica abaixo do CDI

Rendimento Poupança

A aplicação é segura e prática, mas não traz bons rendimentos. Entenda o problema e transforme sua vida financeira.
Aplicar na poupança significa encontrar um lugar seguro para investir, certo? A aplicação simples e de baixo risco tem hoje 61% dos brasileiros adeptos, segundo pesquisa recente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). O problema é que o rendimento da poupança , ficando por vezes abaixo da inflação, não é nada quando comparado com os retornos obtidos na Renda Fixa .

Ao longo da última década, o rendimento da poupança não superou o CDI em NENHUM ANO. Para quem não se lembra, o CDI é o principal referencial das aplicações de Renda Fixa (como CDBs , LCIs e LCAs ) e anda lado a lado com a taxa Selic, referencial de retorno para o título público Tesouro Selic .

Mas muitas pessoas ainda defendem a querida caderneta por sua liquidez, ou seja, a possibilidade de retirar a quantia depositada a qualquer momento. Porém, nem essa argumentação salva a poupança. “Mesmo com liquidez diária, a rentabilidade está atrelada à data de aniversário, ou seja, ao dia de abertura da conta. Se for o dia 20, por exemplo, e voce? precisar sacar os recursos no dia 18, deixa de ganhar os rendimentos daquele me?s’, afirma Beatriz Cutait , editora de finanças pessoais da consultoria Empiricus Research e responsável pelo relatório Você Investidor .

Saia da Poupança e faça seu dinheiro render ———————————————————————-

Mas onde investir ? Existem várias saídas interessantes para quem deseja sair da poupança e começar a investir e preparar um bom colchão de liquidez em outros produtos de Renda Fixa . Afinal, não há motivos para continuar na poupança . No fim do ano passado, o saldo da poupança estava em R$ 664,9 bilhões – contra R$ 658,5 bilhões em janeiro deste ano. E muita gente tem percebido o maior valor de aplicações como o Tesouro Direto , LCI/LCA e fundos de investimento .

“O Tesouro Selic , por exemplo, é um título público pós-fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa Selic. Ele tem rentabilidade diária e seu valor de mercado, por acompanhar a taxa Selic, apresenta baixa volatilidade, evitando perdas no caso de venda antecipada’, afirma Walter Poladian , planejador financeiro e consultor de investimentos da Empiricus . “Ele é uma opção interessante para quem está começando a investir e procura um investimento seguro.”

Fonte:  Terra – Notícias | Notícias | BR

https://noticias.terra.com.br/dino/rendimento-da-poupanca-fica-abaixo-do-cdi,4bba0c971961bcb043a9805fb3a606e2jx2h0dbz.html

 

Corte nos juros traz oportunidades de investimento em 2017

Corte de juros

O fator mais interessante a se considerar neste ano que acaba de começar é que as taxas de juros devem cair consideravelmente. A inflação já emite sinais de arrefecimento e, com as taxas de juros se mantendo elevadas, a capacidade financeira do Estado brasileiro em honrar suas dívidas e fazer investimentos pode ser ainda mais prejudicada.

 

Boa parte dos investidores até já deve ter a noção de que os juros vão cair, mas daí surge a dúvida: é preciso tomar alguma atitude? O investidor comum – ou mal assessorado – pode perceber este movimento tardiamente, perdendo assim a “virada de chave” do mercado.

 

Para ilustrar, a maior parte dos fundos de renda fixa no Brasil deve ter rendido algo entre 11% e 14% em 2016, trazendo ao investidor um ganho real (descontando a inflação) que pode variar entre 4% e 7%. Entretanto, este ganho deve ser menor em 2017. Para o investidor que faz poupança de longo prazo, pensando em uma aposentadoria confortável, há uma oportunidade de aplicar o dinheiro de forma a ter melhores retornos e manter esse rendimento atual mais alto por alguns anos, mesmo com a queda das taxas. Mas como?

 

A resposta é simples: investindo no Tesouro Direto. Para exemplificar as vantagens, podemos analisar as taxas que foram pactuadas no último dia 04 de janeiro. O retorno será dado pela reposição do IPCA (inflação) adicionado de 5,73%. Este é o valor bruto, pois ainda incidirão impostos entre 15% e 22,5% sobre os rendimentos, de acordo com o tempo que o recurso ficou investido. Quanto mais o dinheiro ficar investido, menor será o imposto.

 

O valor alocado nestes títulos pode ser sacado pelo investidor a qualquer momento, mas é preciso ter atenção. Para garantir o montante pactuado, é necessário aguardar o vencimento do título. Caso o investidor decida sacar antes, pode ganhar bem mais, em um cenário de queda de juros. Recomenda-se, nesses casos, consultar um profissional especialista em investimentos.

 

Voltando aos fundos, em se tratando daqueles de renda fixa, estes investem quase 80% dos recursos captados de investidores como você no mesmíssimo Tesouro Direto, mas com uma sutil diferença: eles cobram uma taxa de administração para este “serviço”. Por isso, muitas vezes é melhor buscar conhecer as opções de investimento e tomar as rédeas do próprio dinheiro, tendo em vista as oportunidades que o redesenho das taxas de juros pode criar para 2017.

 

Paulo Marostica, planejador financeiro, embaixador na região N/NE da Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros.